Nasa fotografa asteroide que pode se chocar com a Terra

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
O objeto espacial está sendo monitorado pela sonda OSIRIS-REx, lançada no final de 2016 com a missão de coletar amostras do asteroide.

Perigo no espaço: Nasa fotografa asteroide que pode se chocar com a Terra

Ao longo da última semana a Nasa (agência espacial norte-americana) divulgou imagens detalhadas do asteroide Bennu. Cientistas buscam o maior numero de informações possível do objeto pois estima-se que a rocha espacial possa colidir com o nosso planeta por volta do ano 2135.

O objeto espacial está sendo monitorado pela sonda OSIRIS-REx, lançada no final de 2016 com a missão de coletar amostras do asteroide.

Ao chegarem mais perto do asteroide para obter as amostras, os pesquisadores descobriram que a superfície está toda coberta de rochas e pedras, tornando a coleta mais complicada do que esperavam.

O próximo objetivo agora é pousar durante 5 segundos e realizar as coletas com o braço articulado do equipamento. O plano está previsto para junho de 2020 e espera-se coletar de 60 gramas a 1 quilo de regolito – cascalha e poeira. As amostras serão armazenadas na sonda que retornará à Terra em 2023.

Bennu tem um diâmetro de aproximadamente 490 metros e tem sua órbita próxima à da Terra, motivos que tornam esse asteroidepotencialmente perigoso para o planeta“.

A rocha espacial está a aproximadamente 97,8 milhões de quilômetros da Terra, equivalente a uma viagem de 11 minutos na velocidade da luz.

Através do Twitter da OSIRIS-REx, a Nasa divulgou imagens e os avanços obtidos na missão.

O que existe no Bennu

O ‘101955 Bennu‘ foi escolhido pela Nasa por se tratar de um asteroide primitivo cuja superfície está coberta de materiais que predominavam no inicio da formação do Sistema Solar. Graças a sua distância do Sol, esses materiais não sofreram tanto pelo aquecimento.

Bennu é composto basicamente de carbono e, provavelmente, por silicatos alterados pela presença de água – o comunicado da NASA aponta que não tem água líquida em sua superfície, mas, em algum momento, o objeto rochoso interagiu com este elemento.

asteroide-bennus-1555951056322_v2_900x506.jpg" alt="" width="900" height="506" srcset="https://www.mexerico.pt/wp-content/uploads/2019/04/nasa-divulga-imagens-detalhadas-do-asteroide-bennus-1555951056322_v2_900x506.jpg 900w, https://www.mexerico.pt/wp-content/uploads/2019/04/nasa-divulga-imagens-detalhadas-do-asteroide-bennus-1555951056322_v2_900x506-300x169.jpg 300w, https://www.mexerico.pt/wp-content/uploads/2019/04/nasa-divulga-imagens-detalhadas-do-asteroide-bennus-1555951056322_v2_900x506-768x432.jpg 768w" sizes="(max-width: 900px) 100vw, 900px" />

O asteroide foi escolhido entre mais de 200 outros. Foi estipulada uma série de pré-requisitos para a escolha do objeto a ser estudado. Entre eles o tamanho, a proximidade e seus componentes.

A OSIRIS-REx

A sonda espacial da Nasa, OSIRIS-REx (Origins Spectral Interpretation Resource Identification Security – Regolith Explorer) foi lançada no dia 8 de setembro de 2016 para uma missão de sete anos no asteroide Bennu.

Após se aproximar do asteroide e coletar as amostras da superfície, deverá retornar à Terra em 2023 para estudos.

A OSIRIS-REx está equipada com cinco instrumentos científicos para explorar o asteroide por detecção por sensores e varredura remota da superfície. Também está presente um conjunto de câmeras. Entre elas estão a MapCam, responsável por mapear a superfície, a PolyCam, responsável por fotografar o asteroide de longas distâncias, e a SamCam, que vai registrar o momento em que a sonda realizar a coleta.

Espectrômetros irão medir temperatura, luz visível e infravermelha e espectro de raio-x, para determinar os elementos da Bennu.

Mexerico

Mexerico

Leave a Replay