Discos lançados na quarentena

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Trilha para quarentena: indicações de álbuns lançados no isolamento, de Pabllo Vittar a Pearl Jam

Lançamentos para ouvir boa música em casa: Pearl Jam faz grunge maduro, Dua Lipa faz pérola pop, Pabllo une trance e louvor, novo rap brasileiro brilha com Djonga e Orochi.

Os discos lançados durante os primeiros dias de isolamento social por causa do coronavírus dão chances de ouvir boa música em casa.

Pearl Jam

Gigaton“, primeiro disco do Pearl Jam em sete anos, não disfarça a passagem do tempo. A banda está em compasso com a atualidade, seja em músicas raivosas sobre política e um planeta sombrio, seja em reflexões sobre o envelhecimento.

No site Metacritic, que agrega as notas das principais resenhas dos veículos internacionais, o disco está com a melhor avaliação desde “Binaural” (2000), que foi o primeiro compilado. Ou seja, o trabalho do Pearl Jam mais elogiado em ao menos vinte anos.

Dua Lipa

Future Nostalgia” faz valer o título. São onze músicas retrô futuristas, que reimaginam a música dançante dos anos 70 e 80. Dua é uma das maiores apostas da música pop, mas com algo a dizer, desde que surgiu com “New Rules”, em 2017.

No agregador de resenhas Metacritic, o disco está com a nota 89 em 100, uma das mais altas entre todos os lançamentos do ano.

Pabllo Vittar

A cantora lançou novas faixas do disco “111”, e o grande destaque é Rajadão (Arthur Marques, Rodrigo Gorky, Maffalda, Pablo Bispo e Zebu), música aliciante em cuja introdução dá para perceber a potência vocal de Pabllo Vittar, por vezes abafada entre beats eletrônicos. É uma ousada mistura de trance e louvor laico.

Rap nacional: Djonga e Orochi

Djonga não quer andar na linha. Em seu quarto disco, “Histórias da minha área“, ele faz rap com um vocal rasgado que parece de funk melódico – “das antigas, proibidão, de bandido mesmo”, ele define. O rapper não quer seguir padrões de estilo e nem ditar regras sociais.

Djonga disse que não conseguia nem contar quantos shows tinha cancelado por causa do coronavírus. Ele disse que contava com a renda de streaming para tentar amenizar.

Outro MC que renova a cena de rap do Brasil, Orochi, lançou na sexta-feira (27) seu álbum de estreia, “Celebridade“. Ele também segue uma linha atrevida e é um fenômeno no YouTube, com mais de 200 milhões de visualizções.

Sobre o timing do lançamento, Orochi diz que: “É hora de pensar como usar a minha voz para conscientizar o meu círculo de pessoas diante dessa calamidade. E o bom do isolamento é que a mensagem vai chegar com poucas interferências, cada um vai poder ouvir com calma tudo o que eu quero dizer em cada verso das músicas.”

“Por conta da quarentena, preciso divulgar mais o material nas redes sociais. Como eu comecei cedo no rap, tenho um público que me segue e que gosta do meu trabalho há um tempo. Preciso valorizar isso e trabalhar mais o meu contato com eles”, ele afirma.

E mais…

A maior audiência de streaming nos EUA neste período é de “After hours“, do The Weeknd, mas na sexta-feira (27) ele passou a ser ameaçado por “3.15.20”, de Childish Gambino, além de Dua Lipa.

Mexerico

Mexerico

Leave a Replay